quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

7 competências que o mercado busca nos profissionais

Quais são as características que um profissional precisa ter, além, é claro, daquelas específicas de cada ramo de atuação?

1. Autogerenciamento - É a capacidade de motivação, disciplina e autoavaliação do indivíduo. Trata-se do profissional capaz de realizar projetos, buscar soluções e identificar formas de implementar as soluções.

2. Comunicação múltipla - O mundo é uma aldeia global, por isso, a capacidade de se comunicar de modo realmente eficaz em inglês deve ser prioridade em determinadas áreas. “Há outras formas de comunicação que devem ser exploradas, como por exemplo, a informática, os blogs, a intranet, os processos e sistemas de informação e transmissão de dados.”

3. Negociação - Reflita sobre sua capacidade de negociação e dê atenção especial às suas habilidades nesse campo. Apresente suas ideias de forma clara e convincente e argumente de forma positiva, franca e objetiva.

4. Adaptabilidade - “Mudança é uma das duas grandes certezas da vida”. Por isso o profissional do futuro deve procurar prevê-las e antecipar-se a elas.

5. Educação contínua - Novidades tecnológicas, descobertas, novos processos mais eficazes aparecem a cada momento. Por isso, é fundamental a busca continua por aprimoramento.

6. Domínio da tecnologia - Tecnologia faz diferença. Use e fomente a tecnologia de ponta sempre que possível ou quando houver necessidade. Para evoluir nesse quesito, decrete sua própria obsolescência e parta para patamares mais altos de tecnologia.

7. Foco nos resultados - São os resultados que interessam, mas lembre-se que a ética deve ser respeitada. Na busca pelos resultados, as pessoas também são avaliadas por suas ações. Vale refletir e analisar o que você busca e o que agregará valor em termos de custos/esforço. Concentre-se nisso.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Novos tempos. Hora de ser diferente


Novos tempos, novas perspectivas. É hora de fazer-se novo.

O tempo só se faz novo se nos dermos a oportunidade de virar a página e fazer diferente. É preciso avaliar posicionamentos e ancorar novos conceitos que acolham novos comportamentos. Fundamental ilustrar a diferença que queremos perceber ao nosso entorno. A mensagem é curta, mas contundente na fala de Edith Pierce: “Nós abriremos o livro e suas páginas estarão em branco. Nós vamos pôr palavras nele. O livro chama-se oportunidade e seu primeiro capítulo é o dia de ano novo.”

Muito se fala de empreendedorismo, inovação, inclusão, sustentabilidade… Mas como sustentar novas configurações sem jogar fora aquilo que nos prende a velhos padrões? Como ser novo por fora sem mudar por dentro? É fácil? Não. É possível? Claro, que sim. E, se não tentarmos agora, os novos tempos serão apenas um medida do tempo.

Se queremos vivenciar um novo tempo é realmente necessário falar e fazer de um novo jeito. Se quisermos mudar o nosso entorno precisamos ser os primeiros a dar o exemplo. Quer mudança? Então mude…

Geração X – Y – Z… De quem é a responsabilidade? De todos, pois estamos “todos” juntos. Não cabe mais segregar para liberar-se do compromisso de fazer dar certo. Se nesse momento a imagem de alguém lhe vem à mente, é hora de questionar-se sobre qual a parcela que lhe cabe nessa relação.

Se nos dizemos éticos precisamos ser, prioritariamente, justos. E onde existe dois, um não pode responder sozinho. Enquanto nos furtarmos de assumir a responsabilidade pelo que vivemos hoje, não podemos falar de parceria, trabalho conjunto e muito menos de construção de alianças.

Enquanto apontarmos o dedo em vez de nos darmos as mãos, continuaremos no modo “solo” e estaremos longe de poder dizer de forma honesta que “nesses novos dias, mais alegrias serão de todos é só querer.” Para que nossos sonhos tornem-se verdade é preciso fazer de hoje um novo futuro. E o tempo urge…

Quer uma dica? Pense na sua vida como se fosse um trem. Quais pessoas você gostaria que saltassem na próxima estação e quais aquelas que você gostaria que ficassem ao seu lado? Qual o motivo o leva a querer que essas pessoas saiam da sua vida?

E, honestamente, no que depende de você, o que pode ser feito para que você dê o seu salto de qualidade e consiga conviver com essas pessoas sem necessariamente ter de expulsá-las do seu entorno? Nesse contexto, quais dos seus traços de personalidade precisariam ser trabalhados para que você conseguisse, então, manter-se ao lado dessas pessoas?

Se nessa reflexão você se dispuser a fazer a sua parte e conseguir manter ao menos uma dessas pessoas ao seu lado, por reconhecer que ainda vale a pena tentar fazer diferente, faça agora o que precisa ser feito. As oportunidades surgem para aqueles que estão despertos. Amanhã pode ser tarde demais. E nesse caso os dividendos são seus, acredite. Em relação às pessoas que você considera melhor manter fora do seu vagão, se “estar junto” não é mais possível, dê uma saída honrosa para você e para ela e saia ou deixe-a sair pela porta da frente. Afinal, mesmo as pessoas que nos oferecem desconforto nos proporcionam, também, grandes oportunidades de visualizar nossas próprias resistências e obter excelente aprendizado.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Quer ganhar mais?


O que um aumento salarial proporcionaria a você? A viagem dos sonhos, o carro zero quilômetro que você está mirando há anos? Ou agilizaria o processo para a compra de uma casa e o tiraria ainda do vermelho, sanando os problemas ocasionados por dívidas contraídas no passado? Seja qual for a motivação pessoal, jamais toque no assunto com o seu chefe na hora de pedir aumento. Empresa nenhuma vai lhe conceder um cash mais alto se você não estiver munido de bons argumentos relacionados ao seu desempenho profissional.

Não existe um momento certo e definido para pedir aumento de salário. Mas uma coisa o profissional deve ter em mente: seja qual for a razão do pedido, ele deve estar preparado com fortes argumentos, pois, no momento, com certeza será questionado sobre os motivos.

Antes de pedir aumento salarial o profissional deve avaliar o desempenho dele e da empresa e considerar ainda se o clima mercadológico está favorável. 

Criar uma planilha que ajude a visualizar os resultados obtidos, nos últimos meses, demonstrando sua performance, é uma ação que pode levar à conquista de uma melhoria salarial. Muitas vezes, no início do ano, o período pode ser mais favorável para esta negociação.

Solicitar feedback frequentemente ao chefe sobre o desempenho profissional e recomenda que a negociação para a revisão do salário seja realizada logo após o término de um projeto ou a divulgação das avaliações de desempenho aplicadas pelas empresas. Algumas empresas são totalmente agressivas na forma de reter seus talentos. Nelas, a promoção é extremamente rápida.

Principais razões que levam as empresas a conceder aumento de salário aos profissionais:

Positivo
Resultados alcançados pelo profissional nos últimos seis meses ou um ano - em forma de métricas.
Departamento em que trabalha ou empresa está em crescimento.
Escassez de profissionais da área no mercado.
Média salarial oferecida pelo mercado - o profissional pode até solicitar um valor um pouco superior que o desejado para que a negociação com a empresa agrade a ambos.
Aprimoramento profissional - cursos de pós-graduação, MBA, língua estrangeira etc.
Perfil comportamental alinhado às expectativas de mercado - espírito de liderança, proatividade, facilidade para trabalhar em equipe etc.
Pontualidade.


Argumentos mais frequentemente usados pelos profissionais para pedir aumento salarial que não devem ser expostos ao chefe:

Negativo
Tempo de casa - o profissional está há bastante tempo na empresa e acha que esta é uma razão para solicitar um salário maior.
Comparar o salário com o do colega de trabalho que realiza a mesma função.
Apontar excesso de trabalho e de dedicação como motivo para receber um cash mais alto.
Dívidas contraídas, seja qual for a razão.
Problemas pessoais - doenças, mortes na família etc.
Motivações pessoais - pedir aumento para realizar uma viagem, comprar um carro, mobiliar a casa, etc.

Negativas
Se você utilizou todos os argumentos recomendado e ainda assim seu pedido foi negado está na hora de refletir sobre a negativa e descobrir qual é o gap responsável pelo não recebido. Vale contra-argumentar caso tenha dados relevantes em mãos e propor ainda uma nova data para falarem sobre o assunto caso o chefe tenha cartas na manga. “O profissional tem que estar preparado para o não. A partir daí, torcer para que ele possa ganhar, senão um aumento de imediato, pelo menos a admiração de seu superior, o que será muito útil em um próximo momento de se negociar um novo aumento”.

Numa segunda negativa - o que dificilmente irá ocorrer se a empresa estiver no lucro e o profissional apresentar bons resultados - você deve partir para o plano B. Aí é hora de ficar de olho no mercado e ativar o networking. Afinal, é o profissional quem deve gerir a sua carreira.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Muita descontração pode prejudicar sua carreira


Hoje em dia na maioria das empresas o clima não é mais tão formal como antigamente, porém, essa descontração sempre tem um limite. Não é porque você se sente a vontade no seu ambiente de trabalho que você vai se comportar como se estivesse num bar, com seus amigos. Por isso, separamos uma lista dos principais erros comportamentais nas empresas.


- Atraso: O fato de ter amizades e se sentir sobrecarregado, não te dá o direito de chegar atrasado. O atraso é considerado uma falta de respeito com seus colegas e superiores, pois todos têm um horário a cumprir, portanto cumpra-o.

- Reunião: Quando estiver numa reunião dedique-se a ela, preste atenção e mantenha o foco, caso precise realmente resolver algum outro assunto, peça licença e saia. Jamais atenda celular, ou converse com um colega enquanto a reunião estiver em andamento. E no caso de você estar fora da reunião e precisar urgente de alguém que esteja dentro, bata na porta, peça licença e entre devagar, faça o possível para não atrapalhar.

- Brincadeiras: Mantenha sempre o respeito com seus colegas, principalmente se forem fazer brincadeiras. Existe um limite muito delicado para piadas. Algumas delas podem soar preconceituosas e de mau gosto, portanto, pense bem antes de brincar, mesmo com aquelas pessoas que você tem maior intimidade.

- Broncas: Jamais dê broncas ou chame a atenção de alguém na frente de outras pessoas. Lembre-se que ali é seu ambiente de trabalho, as pessoas que ali se encontram, são apenas colegas de trabalho, mas uma vez mantenha o respeito.

-Pressão: Cuidado quando for cobrar alguém de alguma determinada tarefa, lembre-se que cada um tem seu tempo e prioridade para realizar determinada coisa. Tenha paciência e educação quando precisar fazer pressão, mas não fique no pé de ninguém nem perturbe o ambiente, pois, no fim, o prejudicado pode ser você.

- Discrição: Mantenha sempre a discrição na hora de se referir ou olhar para alguém, as pessoas podem se sentir incomodadas ou até mesmo desrespeitadas. Nunca se esqueça de que está no trabalho e não num bar, seja sutil.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Você é um profissional sustentável?



Pensar no futuro do planeta não é uma tarefa particular, ela deva ser unânime, mas nem todos têm a mesma consciência. Uma atitude sustentável parte de cada um de nós. No ambiente de trabalho não é diferente, porém, algumas empresas visando o bem do planeta, mantêm atitudes sustentáveis, ou seja, consomem e utilizam produtos de outras empresas ambientalmente responsáveis, mas nada disso funciona se você não estiver fazendo a sua parte!

Quando precisa rapidamente anotar alguma coisa o que você faz? Pega uma folha nova na impressora ou tem separadas aquelas folhas usadas com o verso em branco, sim o famoso rascunho? São pequenas atitudes que geram grandes resultados para o nosso meio ambiente. Já pensou em quantas árvores foram derrubadas para manter essa papelada toda que os escritórios usam?!

E a água e o cafezinho? Onde você costuma tomar? Ao invés de usar um copinho plástico para cada vez que for tomar água, não seria melhor trazer de casa um squeeze ou uma caneca? E aquela brisa natural que vem de fora, às vezes não é bem mais agradável do que o gelo do ar condicionado que consome bastante energia?

Você é um profissional sustentável?Falando em energia, ao sair para o almoço, por exemplo, você desliga o monitor do seu computador? Apesar de o desperdício ser pouco, ao pensar em todos os computadores da empresa multiplicando isso pelos dias do mês, a proporção pode ser bem considerável.

Motive seus colegas e mantenha essas pequenas atitudes como parte da sua rotina, além do que, elas podem te transformar num profissional diferenciado na visão do seu chefe, pois além de consciente você estará colaborando com a redução dos custos.

Quando você menos esperar vai praticar a sustentabilidade em tudo o que fizer. No final das contas seu bolso agradece e o planeta também.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Livro ensina como ser uma mulher de sucesso



Se houvesse uma fórmula para uma mulher ter sucesso nos dias de hoje, qual seria ela? Dedicação misturada com competência, pitadas de rigidez e jogo de cintura, e muito açúcar por cima?

Talvez, mas o que sabemos é que não há uma forma definida, a chamada "receita de bolo", como muitas pessoas têm procurado. Há certamente algumas características presentes, em maior ou menor grau, em grandes mulheres de nossa história. Algumas delas, a consultora Stefi Maerker desvenda no seu livro, Mulheres de Sucesso.

Montado em personagens femininos, como Diana Spencer (Lady Di), Joana D'Arc, Eva Perón e outras menos conhecidas, como a esportista Wilma Rudolph, que conquistou três medalhas olímpicas apesar de ter nascido com paralisia infantil, o livro traz uma análise muito pessoal da autora sobre virtudes facilmente identificáveis nas mulheres.

Visão, perseverança, sensibilidade, estratégia, garra e liderança são algumas das características citadas. "Quem tem feito sucesso hoje em dia nada mais faz do que aplicar, pôr em prática diferenciais presentes nas grandes personagens do universo feminino".

Para conquistar o sucesso, a mulher tem que transformar-se em "uma agente de mudanças", e, para isso, uma boa dica é seguir os dez conselhos abaixo:

1) Assumir a capacidade de enfrentar novos riscos;

2) Valorizar a ética e a integridade;

3) Ter visão de futuro e capacidade de planejamento;

4) Estar orientada para processo, pessoas e resultados;

5) Desenvolver habilidade em negociações e flexibilidade para mudanças;

6) Ter espírito inovador e criativo;

7) Exercer liderança por meio de exemplos práticos;

8)Trabalhar com energia e dinamismo;

9) Desenvolver a habilidade para resolver problemas;

10) Articular a maneira de comunicar-se com os outros.

Talvez Stefi Maerker não tenha montado a receita ideal, mas é um começo. Ao menos, deve chegar perto do perfil das executivas que começam rapidamente a tomar posições hierárquicas cada vez mais altas e serem bem-sucedidas tanto no âmbito profissional quanto no pessoal.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Mudança de carreira exige planejamento


As razões podem ser várias, mas a insatisfação no trabalho é o principal indício de que é hora de mudar. Alguns profissionais cumprem fielmente o seu plano de carreira chegando ao topo da pirâmide organizacional. De repente, a atividade realizada não os agrada mais. Em outros casos, percebem que desempenham tarefas desalinhadas ao seu perfil. Há ainda quem decide mudar diante de novas oportunidades oferecidas pelo mercado.

Quando não há um movimento constante de aprendizado e crescimento é preciso repensar a vida profissional. Contudo, antes de mudar, o profissional deve estar consciente de sua escolha. “É importante descobrir a causa da infelicidade no trabalho. Isso pode ser feito por meio de coaching (com o gestor direto) ou mentoring (com um profissional da área).”

Seja qual for a situação alterar a direção da carreira requer planejamento. Por onde começar? “Inicialmente buscando os conhecimentos necessários, por meio de cursos, treinamentos, da universidade”.

Unir-se a uma rede de contatos a fim de conhecer melhor a carreira a qual você almeja seguir é de igual importância. Nesta jornada, o networking pode ser útil na busca por um emprego. “Hoje é elevado o quantitativo de vagas preenchidas por indicação”. Dentro do novo desenho é necessário equipar-se ainda de uma reserva financeira que sustente o seu plano.

Transição
Ao resolver mudar de carreira é importante alinhar a expectativa pessoal e profissional com o gestor direto. Mesmo que a sua decisão vá de encontro aos interesses da empresa recomenda-se deixar claro ao chefe que você está em processo de transição. Modificar o rumo profissional exige ainda repensar a gestão do tempo. Será preciso conciliar o trabalho atual com estudo, profissão futura e família, o que vai demandar energia e força de vontade. “No tempo ocioso ou na própria organização o profissional deve gerar resultado e, ao mesmo tempo, aprender sobre a nova carreira”.

Outra dica é aproveitar os momentos livres para auxiliar um colega que atua no ramo que você pretende seguir. O voluntariado também proporciona um rico aprendizado, além de ser uma ação bastante valorizada pelas organizações. Companhias preocupadas com os sonhos do colaborador liberam seus funcionários por um tempo determinado para prestar trabalhos voluntários. “Negocie com a empresa.”

Na fase de transição, o profissional vai precisar também do apoio da família. “Sinalize que a mudança na rotina é pontual, temporária, momentânea. Mostre que isso trará crescimento e benefícios para todos”.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Chave para Sua Carreira Profissional



Gerir a própria carreira é uma das competências mais requisitadas pelas organizações na atualidade. Em um futuro próximo será a tônica das relações de trabalho. O profissional deve contrabalancear a capacidade de ser flexível e de tomar decisões rápidas e assertivas. “As empresas querem pessoas que gerem resultados.” Talvez, a melhor maneira de se alcançar o sucesso no trabalho, é examinando a vida profissional de pessoas que atingiram o topo. “Ao delegar a responsabilidade de carreira para os próprios profissionais, as empresas obrigaram-lhes a desenvolver características empreendedoras. Vai sobreviver no mercado de trabalho quem as têm”.

O conceito de empreendedorismo vem com outra roupagem. Nesse caso, não é o dono de uma organização ou o administrador de empresas, mas o profissional proativo, que está em sintonia com a sua rede de contatos, sabe enxergar oportunidades de negócios e vê a empresa com os olhos do cliente. “O profissional tem de ser visto. Não importa onde ele esteja, se em um evento corporativo ou na mesa de um bar, estar conectado a pessoas de sua área é primordial”.

O espírito empreendedor requerido pelo mercado surge juntamente com o termo empregabilidade que, é a capacidade de o profissional estar preparado técnica e comportamentalmente para a competitividade mercadológica. Nesse quadro, o indivíduo deve ser o dono de sua própria carreira e realizar suas escolhas profissionais com base em sua realização e desenvolvimento pessoais. 

O profissional do presente deve ser capaz ainda de se adaptar facilmente às mudanças, atualizar seus conhecimentos e desenvolver suas habilidades constantemente, ter boa comunicação e inteligência emocional. Conhecimento, habilidades e atitude é o tripé que deve nortear o trabalho das pessoas hoje. “Os resultados cobrados pelas empresas são alcançados por meio dessas competências.”

Pit Stop
Quantas vezes você já pensou em desistir de sua carreira? Você dedica, em média, um terço do seu dia ao trabalho e, de repente, percebe que sua atividade está demasiada rotineira ou a empresa em que trabalha não lhe traz mais estímulo. É hora de rever a vida profissional.

Pode ser o momento de o profissional mudar de carreira ou de empresa para dedicar-se a outros projetos ou simplesmente realizar uma pausa no trabalho. Paradas periódicas na carreira é importante para o profissional se desenvolver, recarregar as energias e aprimorar ou renovar as ideias.

“O profissional, cada vez mais, deve ter essa postura proativa, saber de que forma pode agregar valor à empresa, o que deve fazer para galgar cargos - caso este seja o objetivo dele - e em quais momentos deve parar para descansar”.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Como elaborar seu plano de carreira


Alinhar os objetivos pessoais aos interesses da empresa e às regras do mercado de trabalho é o segredo do profissional bem-sucedido, aquele que, na certa, orientou-se por plano de carreira. A vida profissional requer planejamento estratégico. “O plano de carreira é um guia, uma bússola que orienta quanto ao destino a ser alcançado, é um mapa de referência que ajuda a visualizar o quanto se está próximo ou distante das metas de construção de carreira”.

Um planejamento de carreira eficaz deve primar pelas seguintes etapas:

Estabelecimento dos objetivos - o que você quer; aonde você quer chegar;

Ação - esforços específicos que determinam as ações em direção ao que se quer;

Tempo - qual o prazo necessário ou desejado para o alcance da(s) meta(s);

Indicador - fator de monitoramento que deve ser utilizado para medir o resultado alcançado; avaliação.

O estabelecimento de metas simples, de alcance no curto prazo. Seus impactos devem ser avaliados no longo prazo, o que permite visualizar se as ações vão ao encontro dos objetivos pretendidos. “As metas devem ser realistas, cuidando para não se colocar objetivos inalcançáveis que podem gerar desestímulo e frustração.”

Variável externa
Todo plano de carreira deve estar alinhado à lógica do mercado de trabalho. Um plano de carreira não é um traçado rígido e irreversível. Levar em conta a dinâmica do universo empresarial é uma forma de assegurar a empregabilidade e competitividade profissionais.

“Apropriar-se da carreira, elevar o grau de consciência e qualidade nas escolhas, alinhando seus objetivos pessoais aos objetivos organizacionais, contribui de forma positiva para a elevação do nível de satisfação da pessoa e das organizações, que desejam sua colaboração em forma de excelente desempenho e resultados.”

Multiculturalidade e relacionamento
A visão multicultural e internacional é um aspecto importante no plano de carreira. “As equipes de trabalho são cada vez mais multiculturais”. Outro fator essencial na construção da vida profissional é o networking. “É preciso se relacionar bem com o seu nicho, cuidar muito bem do seu Linkedin (rede de relacionamento profissional), participar de encontros corporativos com os quais você se identifica.”

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Atitudes que devem ser evitadas no ambiente de trabalho


Alguns profissionais que não estão acostumados a exercitar a etiqueta corporativa acabam, obviamente, criando situações desagradáveis e desnecessárias no ambiente de trabalho. Excedem os limites daquilo que é entendido e visto como correto perante aos seus superiores e colegas e acabam sofrendo com as consequências, como, o chefe pode tirando certas responsabilidades da pessoa por entender que o comportamento é inaceitável. Pode ainda transferi-lo de área ou mudá-lo para um cargo de menor importância e visibilidade. Ou ainda mais extremo: pode dar a demissão.

Apontamos abaixo alguns desses deslizes mais comuns cometidos. Avalie se você se enquadra em algum deles e preste atenção para evitá-los:
1. Usar o telefone ou celular sem critérios
Falar alto ao telefone atrapalha a concentração do colega ao lado ou irrita o cliente à espera de atendimento. Mais desagradável ainda é se o celular tocar durante uma reunião.

2. Atrasar-se habitualmente
Atrasos podem ser interpretados como falta de organização e planejamento ou desinteresse no trabalho. A empresa pode ainda perder oportunidades de negócio por conta deste deslize. 

3. Tomar o espaço do outro
Alguns profissionais não se organizam o suficiente para usar o ambiente a eles destinado. Quando a mesa se transforma em pilhas de papel e documentos não há mais lugar para colocar seus pertences. Por isso, utilizam erroneamente o espaço alheio. 

4. Promover fofocas 
Falar mal do chefe ou da empresa, além de ser antiético, é uma das principais causas de demissão. Fazer comentários maldosos sobre o colega de trabalho, do mesmo modo, arranha a imagem profissional. O perigo aumenta quando informações são registradas nas redes sociais. Especialistas recomendam muito cuidado com os desabafos.

5. “Esquecer” do trabalho
Alguns profissionais vão até a área de café para tomar um lanche ou aliviar um pouco a tensão e perdem a noção do tempo. Demonstram falta de compromisso e responsabilidade e acumulam trabalho. Outros passam grande parte do tempo na internet pesquisando assuntos de ordem pessoal.

6. Enviar e-mails com erros grotescos de português
É preciso cautela com abreviações. Elas podem causar erros de interpretação. Não se deve enviar mensagens ao chefe, colegas e clientes como se estivesse conversando com um amigo pelo Messenger. O e-mail visa à otimização do trabalho. Analise a sua pertinência e o releia antes de enviá-lo.

7. Fazer da mesa de trabalho a área de café ou a “estante” de casa
Comer na mesa de trabalho é anti-higiênico. Pode gerar danos à saúde e conflitos. Deteriora ainda os recursos do trabalho. Da mesma forma, poluir a mesa com fotografias, imãs, bilhetes etc não condiz com uma conduta profissional. Tenha bom senso ao colocar qualquer objeto pessoal na mesa de trabalho.

8. Esquecer ou errar o nome do cliente
Uma das situações mais embaraçosas é não lembrar ou errar o nome do cliente. Revela falta de atenção e de interesse. Caso considere necessário, anote o nome discretamente para não escorregar.

9. Vestir-se inadequadamente
Muito se fala sobre trajes no ambiente de trabalho, no entanto, o assunto continua atual. O fato é que ainda há pessoas - principalmente mulheres - que vão ao trabalho como se estivessem indo a uma festa. O exagero se estende à maquiagem, aos acessórios, ao perfume. Por outro lado, existem profissionais que não cuidam da imagem. Cabelos e barbas devem estar sempre bem feitos, sapatos engraxados, roupas bem passadas. O tipo de traje vai depender muito do perfil da empresa, mas uma coisa é certa: você não deve chamar mais atenção que a sua competência.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

O que falar de si mesmo na Entrevista?


Você tem dificuldade para falar de si mesmo? Isso é muito natural, a maioria das pessoas travam na hora de falar sobre si numa entrevista de emprego, seja por timidez ou simplesmente por não saber o que e como falar.

Todo tipo de teste é um grande desafio e uma entrevista de emprego então, é um desafio e tanto. Nela você é testado a partir da sua personalidade, seus gestos e expressões. Hoje em dia, além do conhecimento técnico e das suas habilidades, o que certamente estará em jogo também é o seu autoconhecimento. Ninguém espera que você seja uma pessoa perfeita, mas reconhecer seus defeitos é uma forma de mostrar que você se conhece bem.

Conhecer as qualidades é importante para a empresa conhecer seus domínios e saber como você será útil para a instituição. E os defeitos são interessantes para que o entrevistador conheça suas limitações e os desafios que você pode superar.

Por isso, aquela clássica pergunta nas entrevistas: Me fale sobre suas qualidades e seus defeitos... É ai que você vai mostrar seu autoconhecimento. Mas o que responder nessas horas?

- Falar sobre suas limitações pode até te ajudar, mostre-se disposto a mudar e superar isso demonstre sua vontade e dedicação. Mostre que não é acomodado.

- Fuja das respostas padrão como “meu defeito é ser perfeccionista” seja criativo e surpreenda o entrevistador.

- Jamais minta ou omita algo, como dizer que sabe fazer algo quando na verdade não sabe, isso pode te prejudicar no futuro.

- E na hora de falar sobre suas qualidades, tome cuidado para não parecer arrogante, lembre-se humildade acima de tudo.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

6 dicas para acabar com o estresse no trabalho


O estresse atinge 70% dos executivos. As causas são variadas, desde o excesso de trabalho até o medo da demissão.
Os profissionais precisam aprender a lidar com os estressores - as fontes de estresse.

Saiba como você pode lidar com o estresse ou evitá-lo no ambiente corporativo.

1. Identifique a situação. 
Determinar se você tem ou não controle sobre uma situação de irritabilidade é o primeiro passo. Por exemplo, não é possível ter controle sobre o comportamento do outro. A partir daí, o profissional deve decidir se vai conviver com a situação ou fugir dela. 
No caso de a ocasião gerar muito desconforto, a alternativa pode ser mudar de área ou buscar uma nova oportunidade no mercado de trabalho. Se os seus valores e sonhos não condizem com os ideais da empresa em que trabalha, o melhor é procurar uma nova colocação.

2. Não aja por impulso, nem fique na defensiva. 
O profissional precisa identificar os sintomas do estresse. Quando eles aparecerem, é necessário adotar um comportamento racional.
Em muitos casos, o profissional incorpora uma conduta defensiva por dificuldades em gerenciar o estresse, mas às vezes uma conversa com o chefe basta para solucionar o problema.

3. Administre o tempo. 
É preciso fazer pausas durante o expediente. De duas em duas horas, faça pausas de cinco minutos. Vá tomar um café, falar sobre o churrasco do fim de semana.
O profissional deve ainda planejar o dia de trabalho, e considerar imprevistos. Quando surgirem, você terá de reorganizar suas tarefas.

4. Cuide da saúde. 
Profissionais que adotam um estilo de vida saudável se recompõem de situações estressantes mais rápido. A recomendação é dormir bem, alimentar-se adequadamente, praticar atividade física.
Outra dica é o exercício de relaxamento, a respiração abdominal profunda, por exemplo, pode trazer conforto físico e tranquilidade emocional.

5. Trabalhe por “estímulo”. 
Mesmo que a atividade não provoque o prazer almejado, deve-se compreender que às vezes é necessário passar por etapas indesejadas para alcançar metas e objetivos. Por exemplo, um profissional que deseja ter sua própria empresa no segmento de vendas precisará passar pela experiência de vendedor, galgar o cargo de supervisor, talvez gerente. Ele vai necessitar de todo um background para conquistar a autonomia.

6. Dedique-se à vida pessoal. Cultive relacionamentos. 
Não deixe que a correria do dia a dia distancie você dos seus relacionamentos. Da mesma maneira, não pare de praticar ou de participar de tarefas que lhe são prazerosas.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Foi chamado por duas empresas. Qual escolher?


Quando se está buscando um emprego, você participa normalmente de diversos processos seletivos. Passando por tantas empresas, pode acontecer de você ser selecionado por duas delas em um curto espaço de tempo, tendo então que fazer uma escolha. E aí?

Primeiro você deve pesar as vantagens que cada uma das empresas pode lhe trazer. Se os dois empregos forem na área em que você deseja trabalhar, analise qual deles pode oferecer uma melhor oportunidade para a sua carreira. Isso leva em conta se a empresa é grande, ou se é pequena, mas tem potencial para crescer.

Avaliou qual pode ser melhor para a sua carreira? Mas você não pode se esquecer também do salário. Avalie as diferenças entre fator financeiro e possibilidade de crescimento. Uma empresa pode pagar mais do que a outra agora, porém em longo prazo será que tem uma boa oportunidade de crescimento?

Outros fatores também entram na pauta na hora de escolher em qual empresa trabalhar como: a quantidade de benefícios oferecidos, horários flexíveis, local onde fica a empresa, etc.

Se essa situação acontecer com você, pense com calma, leve todos os pontos em consideração e boa escolha!