quinta-feira, 17 de maio de 2018

“O corpo fala”

Madalena Feliciano destaca falhas que prejudicam os candidatos e dá dicas de como se dar bem na entrevista de emprego

As expressões faciais, postura e gestos que utilizamos também contam muito na maneira como você será interpretado pelo público. Além disso, sua postura e movimento são capazes, até mesmo de motivar as pessoas a sua volta e aumentar sua produtividade. Você pode falar bem, ter ótimas ideias e ser constantemente elogiado pelos seus projetos, mas tem um detalhe que pode prejudicar tudo isso com uma tacada só: o seu corpo.
Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, “um erro muito comum dos candidatos é certamente a linguagem das mãos. Esconder as mãos, apertá-las ou mexê-las demais demonstra seu nervosismo e pode dar ao seu público a sensação de que você não acredita no que está dizendo. Manter as mãos nos bolsos também é um gesto que indica que você está com medo, sem saber para onde ir ou não está interessado no que está fazendo. Se não bastasse, isso ainda pode fazer com que seus interlocutores pensem que você está sendo indelicado com eles”, explica.
A linguagem corporal não é importante apenas para a comunicação, mas para os negócios em geral. “Observar cuidadosamente seus movimentos no meio de uma entrevista, vai fazer com que você identifique e corrija seus gestos para passar a melhor impressão possível. A postura é um dos atributos mais importantes da linguagem corporal durante a entrevista. Se você está inclinando suas costas e ombros em uma postura que deixa o pescoço caído, ele vai desafiadoramente transmitir uma mensagem fraca e o receptor pode começar a pensar sobre o seu profissionalismo”, exalta Madalena.
Algumas dicas podem ser destacadas:
1. Inicie sua apresentação ou saudação com um sorriso e, como resultado, o entrevistador vai receber sua mensagem com mais disposição;
2. Busque manter seu sorriso durante a entrevista;
3. A interação é a chave para uma apresentação notável;
4. Você precisa parecer confiável, bem-sucedido e ainda precisa mostrar que tem credibilidade para falar sobre o que você faz;
5. Sempre que você quiser marcar um ponto importante, enfatize suas palavras com gestos de mãos. Seu entrevistador vai se lembrar do fato ou da informação melhor se você ancorar isso com um gesto específico.
6. Quando mover durante uma conversa ou apresentação, faça o entrevistador sentir que você praticou esses movimentos antes, faça-o acreditar que você é um perito experiente.
Por fim, “passar a imagem de profissionalismo e de confiança é muito mais do que apenas falar a coisa certa na hora certa. Lembre-se de que o corpo é capaz de dizer muitas coisas, e esteja sempre atento a cada gesto, pois uma atitude mal pensada pode trazer grandes consequências.”, conclui Madalena.
Madalena Feliciano | Gestora de Carreira

terça-feira, 15 de maio de 2018

O que seu currículo deve ter para se destacar?

"Ao falar de suas habilidades, não tenha medo de fazer um pouco de marketing pessoal"
Na hora de procurar um novo emprego, as pessoas normalmente pensam no que elas querem fazer, quanto elas querem ganhar e no momento da entrevista. Poucos candidatos pensam no que vem antes de tudo isso: a apresentação do profissional. E isso é feito, primeiramente, por meio do currículo.
Muitos ainda pensam que o CV (Curriculum Vitae, como é formalmente chamado) não passa de um pedaço de papel e o importante é o que será apresentado na hora da entrevista presencial. O que essas pessoas não percebem é que, devido ao grande número de candidatos que as empresas geralmente recebem, o currículo acaba sendo, por diversas vezes, o único contato que o profissional tem com a empresa contratante. "O currículo é sua porta de entrada para qualquer lugar. Sem um documento apresentável, dificilmente o entrevistador, ou quem quer que seja que analise os currículos dos candidatos, vai se interessar por você", afirma Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers.
A especialista orienta que um bom currículo deve conter as informações básicas do profissional, além de toda e qualquer outra informação que seja relevante para a sua contratação. "Nome, telefone e e-mail profissional (sem apelidos) são essenciais, mas não pode parar por aí. Informações sobre sua formação universitária e cursos paralelos, como de idiomas ou de outras habilidades também são muito importantes. Seu objetivo com aquela entrevista, além de um resumo das suas qualificações e experiências profissionais não podem ser deixados de lado. Caso você trabalhe ou já tenha trabalhado com filantropia também adicione essa informação, pois é um diferencial", explica.
Madalena diz que, ao mesmo tempo em que o currículo deva ser claro e objetivo, a pessoa não pode se acanhar. "Ao falar de suas habilidades, não tenha medo de fazer um pouco de marketing pessoal, apresentando casos de clientes anteriores e que obtiveram sucesso com sua ajuda, por exemplo. Para quem nunca trabalhou e está atrás de uma primeira experiência, não é preciso pânico, afinal, esse é o momento de demonstrar, seja por meio do currículo ou ainda na entrevista, que você já está buscando garantir seu futuro, e exaltar isso também é importante. O problema principal nessas horas são as mentiras, que têm pernas curtas acabam sendo um tiro no próprio pé", alerta.
A profissional fala também que muitas pessoas estão diferenciando seus currículos cada vez mais pela tecnologia. "Muitos jovens estão produzindo seu currículo ou até mesmo seu portfólio de maneira mais dinâmica, com vídeos, animações e fotos. Isso pode mostrar ao recrutador que você é uma pessoa criativa e que gera novas ideias, fazendo você se destacar. Experiências internacionais também estão contando bastante pontos atualmente”, conta.
Além disso, Madalena diz que estar sempre atualizando seu CV pode ser importante para você nunca esquecer de nada. “Muita gente acaba deixando de lado e só vai atualizar na última hora para mandar, por isso é sempre bom indo atualizando a cada experiência que você tem. E para quem não sabe qual a melhor forma de montar seu CV, existem milhares de modelos na internet ou você pode buscar ajuda de pessoas especializadas no assunto que ajudar nessa tarefa. E caso você for montar sozinho, a dica principal é não esquecer de mostrar seus diferenciais", conclui Madalena.

sábado, 12 de maio de 2018

As mulheres modernas: mães e profissionais qualificadas. Como conciliar tudo?

Especialista diz que muitas mulheres sentem-se culpadas por não conseguirem dar devida atenção à família ou ao trabalho. Com o passar do tempo, a mulher tem participado cada vez de forma mais ativa no mercado de trabalho e assumindo postos que, até então, eram considerados masculinos – a presidente Dilma, por exemplo, que é a primeira mulher a presidir o Brasil, mostra o quão em evidência o sexo feminino está.
Assim, a independência financeira e a autonomia tornaram-se consequências na vida das mulheres e, ao mesmo tempo, conquistas importantes para elas. “A mulher moderna trabalha mais, já que a carga horária de trabalho é mais extensa.
Existe também um número crescente de mulheres que viajam com frequência a trabalho, porém, para muitas delas, o sonho de casar e ter uma família é algo real, e elas ficam em dúvida sobre como fazer isso sem que atrapalhe sua carreira”, explica Madalena Feliciano, gestora de carreira da Outliers Careers, e mãe de cinco filhos.
Como conciliar a carreira profissional, conquistada com muito esforço, com a maternidade e a disponibilidade para cuidar do seu filho?Normalmente as mães retornam ao trabalho após o fim da licença à maternidade, porém, tornou-se muito comum ver àquelas, várias vezes bem sucedidas, abandonarem suas carreiras profissionais para cuidar exclusivamente dos filhos e tornarem-se mães em tempo integral.
Mas como se sentem essas mulheres que largaram um projeto de desenvolvimento pessoal para cuidar dos filhos? “Para algumas mães essa decisão não é fácil e, com o passar do tempo, se mostra insuficiente, já que essa geração foi ‘treinada’, desde muito nova, a assumir muitas funções ao mesmo tempo”, comenta Madalena.
Segundo pesquisa publicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), após o nascimento dos seus filhos, algumas mães começam a se sentir sozinhas e sobrecarregadas com as tarefas domésticas. “Isso pode acarretar uma piora na autoestima, com sentimentos de desvalorização, culpa, dependência financeira e emocional, solidão e, em casos mais sérios, depressão”, exalta a especialista. Isso acontece porque com o passar dos dias a criança começa a precisar menos da mãe, - que praticamente cortou seu convívio social para cuidar da criança.
“Algumas alternativas que eu sugiro para que isso não aconteça é, caso a mulher decida dedicar-se somente a maternidade por um tempo, depois retorne a ‘vida social’ por meio de algum curso – como de idiomas, por exemplo, - para que possa conhecer pessoas novas e trocar experiências, ideias e tenha novos assuntos em mente, além da maternidade,”, explica. Outra maneira é retornar aos poucos para o campo de trabalho, realizando projetos curtos ou consultorias, abrir o próprio negócio, ou estudar para concurso público.
“A mulher precisa entender que depois de ser mãe as suas prioridades mudam, assim como a disposição, que passa a ser dividida entre diferentes papéis. Uma vez que ela tenha isso claro, o nível de cobrança deve ser o normal, sem exigir perfeição em tudo”, comenta Madalena, que complementa que a mulher deve ser menos rigorosa consigo mesma e passar pelos desafios naturais da vida de forma mais leve e plena.

Outliers CareersMadalena Feliciano - Gestora de CarreiraProfessor Aprígio Gonzaga 78, São Judas, São Paulo - SP.madalena@outlierscareers.com.brwww.outlierscareers.com.br

Conciliar maternidade com carreira requer esforço, mas compensa

Apesar da rotina se tornar muito mais cansativa, é importante que a mulher não deixe de lado suas aspirações pessoais, ao mesmo tempo em que cuida do lar.
Com o passar do tempo, a mulher começou a exercer funções que, antes, eram considerados masculinos- como CEOs de empresas ou, até mesmo, como presidente do país, como foi o caso de Dilma, a primeira mulher a presidir o Brasil. Além disso, diversas foram as conquistas sociais e a quebra de certos preconceitos. A mulher sempre pode tudo e agora que a sociedade está compreendendo essa situação.
Entretanto, as mulheres que desejam ser mães enfrentam uma dupla jornada: a de cuidar dos filhos e do lar, e, também, participar da renda familiar. Conquistas como estas, muitas vezes, são acompanhadas por um sentimento de culpa por deixar os filhos, ainda bebês, aos cuidados de outras pessoas, para que elas possam trabalhar fora de casa. “O maior desafio é saber lidar com a culpa, mas é preciso reconhecer que abrir mão do trabalho pode significar prejuízo financeiro e insatisfação pessoal. Assim como ser mãe, trabalhar e ganhar o próprio dinheiro faz parte dos sonhos da maioria das mulheres”, explica Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, e mãe de cinco filhos.
Madalena diz que, com o Dia das Mães chegando, é preciso que as mulheres se lembrem de que, além de boas profissionais, elas precisam ser presentes em casa, também. “Claro, chegar cansada depois de um longo dia de trabalho é muito compreensivo, mas participar da vida de seus filhos também é essencial. Acompanhar os estudos deles, convida-los para jogar alguma coisa ou fazer algum passeio durante o fim de semana são ótimas maneiras de tomar parte da vida de seus filhos, sem sufoca-los e deixá-los muito soltos, ao mesmo tempo”, conta a profissional.
A gestora conclui, dizendo que é preciso que as mulheres se lembrem de separar um tempo, alheio da vida profissional e maternal, para elas mesmas. “Apesar de parecer uma missão impossível, é necessário lembrar-se, sempre, de guardar um tempo para fazer alguma atividade que lhe dê satisfação, sem que ela seja feita para os outros, mas em benefício próprio. Com a correria do dia a dia, faz bem cuidar de si mesma, também”.